Cabelos Curtos

É notável o impacto que os cabelos têm em uma produção. É parte em que a maioria das pessoas logo bate o olho num primeiro encontro. O mais complicado é manter uma aparência saudável e um corte adequado ao formato do rosto. Como não dou dicas de cosméticos e nem tutorias separei alguns detalhes que devem ser levados em conta na hora de passar a tesoura.

Primeiro um pouco da história dos cabelos ao longo das épocas:

Por volta do século XVI, a Rainha Elizabeth era a principal fonte de inspiração para as mulheres que logo copiaram o tom avermelhado em suas perucas. Duzentos anos depois, as perucas passaram a ser mais elaboradas e cacheadas. Com grande volume para cima da cabeça. Com a chegada da Era Vitoriana as mulheres optaram por passar um ar mais saudável, natural e limpo de seus cabelos. Como o cabelo totalmente solto era considerado vulgar nessa época tão puritana, os cacheados com algumas partes presas, normalmente com pentes de marfim, era o padrão. Nos anos 20, foi deixado para trás um pouco da proposta puritana. Foi inspirado, principalmente pelo cinema e teatro, fios curtos e retos na altura da orelha. Em meados da década de 40, a inspiração dos ídolos continuou com ênfase nas produções hollywoodianas. Feminilidade era a mensagem a ser transmitida. Cachos macios caindo sobre os ombros e ondulações por todo o comprimento do cabelo era o quente da época. Nos anos dourados a ‘deusa doméstica’ que passava a impressão de que toda a tarefa de casa poderia ser feita com glamour tornou os cortes medianos e com aparência totalmente modelada e impecável. Na década de 60, com muitas mulheres trabalhando fora, um corte não muito longo e penteado para trás aparentava glamour e praticidade. No final dessa década e início do período seguinte, cabelos longos e naturais tornaram-se modelo a ser seguido. O natural deu lugar ao tingido e espetado no fm dos anos 70, com o movimento punk. Couro cabeludo tatuado, gel e fios tingidos com tons primários bem vivos. Pegando carona nas cores, vieram os anos 80. A década do exagero. Cabelos cacheados de um lado, raspados de outro ou super repicado e ’em pé’. O quente dos anos 90, foi claramente o corte da personagem de Friends, Rachel. Tudo era aceitável e a maioria das mulheres optou por tons de loiro. Acredito que, em meados dos anos 90 até hoje, os cortes de cabelo tem perdido a personalidade forte como nas décadas anteriores. Não há padrões nem rótulos. Individualismo é a palavra chave os tempos modernos. Tudo é normal e já foi visto antes.

Por que as pessoas usavam perucas antigamente? A moda começou com Luís XIV, rei da França. Durante seu governo, o monarca adotou a peruca para esconder a calvície. O resto da nobreza gostou da ideia e o costume pegou. A peruca passou a indicar, então, as diferenças sociais entre as classes, tornando-se sinal de status e prestígio. Também era comum espalhar talco ou farinha de trigo sobre as cabeleiras falsas para imitar o cabelo branco dos idosos.

O cabelo certo para os quatro principais formatos de rosto:

Quadrado: Quanto mais curtinho mais charmoso. O rosto tem ângulos fortes que aliados de um cabelo curto passar um ar feminino e fofo. Os com pontas desfiadas na altura dos ombros também valem. E claro, uma franjinha, que quanto menos reta e chapa melhor. É o melhor tipo para cabelos raspados nas laterais.

Triângular: Como esse tipo já é bem feminino e charmoso por natureza, fios mais leves e desfiados até a altura da orelha são maravilhosos. Os levemente cacheados até os ombros fica divino. Pontas viradas pra fora ficam ótimas e compensam o queixo e o maxilar finos.

Redondo: Tecnicamente, quanto menos volume melhor. Repicado e com costeleta para quem tem mais atitude. Franjinhas mais ralas e longas afinam o rosto. Mas não deixe que passe do ombro. O formato já é bem volumoso. Quanto mais cabelo mais volume vai aparentar.

Oval: É delicado e com traços finos. O chanel bem curto com nuca batida é o forte. O corte Cleópatra, reto na altura dos ombros e com franja, cai feito luva. Cortes assimétricos ficam ótimos pra esse tipo.

Mas a verdade é que mesmo usando as regrinhas do tipo de rosto cada um sabe o que fica melhor pra si. Basta recorrer ao bom senso. E gente, se você for do tipo acima do peso CORRA de cabelos longos. Reza a lenda que afina o rosto mas pra mim só faz aumentar o volume do conjunto. Cabelo curto é feminino e fácil de cuidar. E outro detalhe: segundo a Maria Eugênia, minha querida professora de estética, o tamanho do cabelo é inversamente proporcional a inteligência. Super assino em baixo!

Minhas isnpirações preferidas de cabelo curto:
Agness Deyn, Kelly Osbourne, Joan Jett e Ronnie Wood
Inclusive os cortes da Kristen Stwart inspirados na Joan são notáveis.

fonte: http://www.ukhairdressers.com/history%20of%20hair.asp

Próximo assunto: a invasão dos bigodes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s